Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.

Workshop orienta sobre questões sindicais e trabalhistas

Notícia
09/11/2016 15:01
Deatec, deatec@deatec.org.br

Esclarecer sobre questões sindicais e trabalhistas foi objetivo de um workshop promovido nesta terça-feira (08) pela Associação Polo Tecnológico do Oeste Catarinense (Deatec) e o Sindicato das Empresas de Processamento de Dados, Software e Serviços Técnicos de Informática do Estado de Santa Catarina (Seprosc), em Chapecó. O evento foi destinado a gestores de empresas de tecnologia da informação (TI) e foi ministrado pelo assessor jurídico do Seprosc, Rodolfo Ruediger Neto.

De acordo com o instrutor, Chapecó foi a terceira cidade no Estado a receber o workshop neste ano, que já ocorreu em Criciúma e Blumenau. “Estamos visitando as cidades que possuem polo tecnológico. Explanamos sobre questões que impactam no dia a dia das empresas no âmbito trabalhista e sindical, principalmente no que se refere ao enquadramento sindical”, relatou.

Entre os temas que abordados estiveram: enquadramento sindical, o que é Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e quais os seus impactos na organização, rescisão, piso salarial, horário flexível e jornada de trabalho. O instrutor explicou ainda sobre ausências ao trabalho em razão de paralização do serviço público ou eventos naturais, contratação de pessoa jurídica, benefícios complementares, dispensa do aviso prévio e perspectivas acerca das negociações coletivas de trabalho 2016/2017.

A intenção foi orientar e esclarecer dúvidas sobre o assunto. “A Associação tem a função de orientar as empresas do setor de tecnologia da informação para que as organizações possam estar adequadas às questões legais, para que atuem de forma proativa e evitem problemas”, ressaltou o presidente da Deatec, Cesar Bortolini.

De acordo com o secretário adjunto da Deatec e delegado da Associação no Seprosc,Marcio Muxfeldt, o workshop aproximou o sindicato patronal do segmento ao Oeste do Estado. “Também trouxe informações importantes para o setor, já que existe uma negociação própria para a área de tecnologia da informação e que muitos não sabem da importância e dos riscos que correm em não estar sindicalizados na entidade correta”, realçou.