Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.

Workshop apresenta fundos de investimentos para associados

Notícia
01/07/2016 18:41
Deatec, deatec@deatec.org.br

O Criatec 3, fundo de investimento liderado pelo BNDES e gerido pela Inseed Investimentos, e a Rede de Investidores Anjo (RIA SC), foram apresentados às empresas vinculadas à Associação Polo Tecnológico do Oeste Catarinense (Deatec), nesta semana, durante o Workshop Investor Day. De acordo com presidente da entidade, César Bortolini, esses fundos de investimentos são uma oportunidade de expandir os negócios e crescer com a colaboração de profissionais reconhecidos no mercado. “A promoção do evento é uma forma de trazer aos associados investimentos qualificados que possibilitam crescimento planejado. Também é uma maneira de mostrar que a região Oeste tem uma grande capacidade de cooperação”, enfatiza.

O Criatec 3 foi apresentado pelo administrador de empresas André Wetter, da Inseed Investimentos. O fundo é uma excelente opção para quem está disposto a ter um sócio investidor que agregue capital, estratégia, governança e que compartilhe decisões. Wetter explica que esse é um investimento diferente do tradicional. “O objetivo inicial era tirar a pesquisa de dentro das universidades e trazer para o mercado. Existia também uma visão de mercado que precisava ser desmistificada, de achar que faltam bons projetos para fazer investimentos. Isso não é verdade. Tem muitos projetos, temos dificuldade em selecionar porque sobram oportunidades”, frisa Wetter.

Os valores aportados por empresa variam de R$ 1,5 a R$ 10 milhões. Esses valores dependem da avaliação que o Fundo faz de cada negócio. O Criatec 3 tem um total de R$ 220 milhões de capital comprometido. Wetter explica que a preferência de investimentos é para micro e pequenas empresas dos setores de tecnologias da informação e da comunicação, biotecnologia, agronegócio, novos materiais e nanotecnologia. Além do aporte em dinheiro, a Inseed atua também na gestão do negócio, construindo um planejamento junto com a empresa.

O líder da Rede de Investidores Anjo de Santa Catarina, Marcelo Cazado, explanou sobre seu funcionamento. A RIA tem por objetivo atrair e conectar investidores anjo do Estado e aproximá-los de empreendedores que buscam apoio para seus projetos de base tecnológica. A Rede é fruto de uma parceria entre a Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate) e a Anjos do Brasil, possuindo investidores experientes no mercado.

De acordo com Cazado, investidores anjo têm perfil idealista, seletivo e altruísta, sendo na maioria empresários e executivos. A idade média é de 45 anos, 50% já realizaram investimentos, 98% são homens e 2% são mulheres. “A maioria deles investe em empresas que estão próximas e em segmentos que conhecem”, expõe. Cazado orienta que o empresário precisa avaliar o que o investidor trará para a empresa de capital intelectual. “O valor em dinheiro é secundário”, comenta.

Para se tornar um investidor anjo é necessário preencher uma ficha no site da Acate que será aprovada pela RIA Brasil e pagar uma mensalidade de R$ 100,00. “Os valores investidos são baixos, a Anjo Brasil fornece um guia de documentos de investimentos e não existe risco para os investidores, desde que façam a coisa certa”, finaliza Cazado.

O Gerente Regional Oeste Catarinense do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Paulo César Antoniollo, expõe que o banco apoia empresas e projetos inovadores, por meio de seu Programa BRDE Inova, especialmente com recursos dos Programas BNDES MPME Inovadora e FINEP Inovacred. “Desde sua criação, o Programa BRDE Inova já aportou mais de R$ 300 milhões em empresas inovadoras da Região Sul do País, sendo que o estado de Santa Catarina responde por mais de 50% destes financiamentos”, relata. “Ao integrar o Fundo Criatec 3, o BRDE busca ser parceiro no incentivo a diferentes mecanismos de apoio ao desenvolvimento das empresas, em especial aquelas na fase inicial de suas atividades, as chamadas start-ups e spin-offs, que normalmente têm dificuldade no acesso aos mecanismos de crédito tradicionais reembolsáveis”, explica Antonillo.

O workshop foi promovido pela Deatec e Inseed Investimentos, com apoio do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), CDL Chapecó e Acate.

VISITAS

Depois do workshop, foram realizadas visitas a empresas chapecoenses. Durante dois dias, os representes da Inseed Investimentos e da Deatec conheceram alguns associados Deatec, previamente escolhidos pelo Fundo. Para o sócio proprietário da Raffinato, que atua com sistema para gastronomia e entretenimento, Marcio Muxfeldt, é válido a Deatec proporcionar novidades para os associados. “A visita dos investidores à empresa serviu para apresentarmos a nossa história, como atuamos, quais produtos oferecemos, nossa missão e visão e como planejamos o futuro. A possibilidade de um investimento está em aberto, dependendo da avaliação da equipe de investidores e, mesmo que não aconteça, a avaliação que será feita poderá contribuir para identificarmos onde temos que melhorar”, expõe.

O diretor da CBAData e da Amplisoftware, Darlan Segalin, conta que houve interesse da equipe da Inseed em um produto – o Amplimed – e a partir de agora será dada continuidade no processo para aprovação do fundo de investimentos. “Ações como essa, promovidas pela Deatec, são importantes para criar um ambiente inovador dentro das empresas e esclarecer sobre o que é inovação. Contribui para os empresários conseguirem fazer projetos e buscar investimentos, tanto para empresas novas como para as consolidadas no mercado”, conclui Segalin.